Progresso e enxertia de talhadias

Há uns anos atrás, comprámos um pequeno pedaço de floresta, que parcialmente fora devastada. Já existiam alguns bancos de castanheiros (de talhadia ou corte de cepos) que agora estão a voltar a crescer e nós plantámos muitos mais pequenos castanheiros. Retirámos algumas varas boas de eucalipto para construir a primeira parte da estrutura redonda de madeira da nossa casa. Nos últimos anos, temos estado a trabalhar mais neste lado, a abater mais pinheiros e a plantar mais variedade de árvores (freixo, aveleira, amieiro, tília e acácia) que serão para talhadia. Este é um teste muito interessante e um local de aprendizagem para nós, onde visamos a criação de um sistema agroflorestal diversificado, muito produtivo e de fácil gestão; uma talhadia mista, diversificada, que cortaremos em rotações relativamente curtas (é mais fácil de lidar com varas pequenas), com uma produção de árvores de frutos de casca rija e árvores de fruto ao longo do trilho e dos caminhos.
 
 
Esta Primavera, um grande amigo nosso, o Frank, ajudou-nos a enxertar alguns dos castanheiros. A grande vantagem com o material de enxerto (um pequeno pedaço de ramo chamado enxerto) de árvores bem frutíferas em árvore já existente (chamado o porta-enxerto) é que, uma vez que o enxerto se funde com o porta-enxerto, tem todo o poder da árvore já estabelecida com um sistema radicular forte para alimentá-lo. Isto torna possível um crescimento muito rápido e (a menos que o porta-enxerto tenha sido recém plantado), há pouco risco de eles secarem durante os Verões quentes e secos. As árvores enxertadas também dão fruto mais cedo do que as árvores não enxertadas pois o material que é fundido com o porta-enxerto vem de árvores já maduras. É uma maneira muito rápida de obter árvores muito produtivas de castanha (ou outras árvores) com frutos de bom tamanho. E, excepto o trabalho, não tem qualquer custo porque não é preciso comprar árvores.
 
 
É muito empolgante ver quanto potencial há nestes métodos de gestão ancestrais e de baixa-tecnologia. Nas encostas Norte e Este desta área, há muitos pequenos castanheiros a lutarem entre os jovens pinheiros. Tirando os pinheiros destes locais e enxertando os castanheiros existentes, seria possível produzir uma enorme quantidade de comida de modo mais sustentável, num tempo relativamente curto - por falar em resiliência local e abundância sustentabilidade!
 
 
Eu não posso evitar e continuo a sonhar o quão incrível seria fazer isto em grande escala. Vejamos o que poderá ser feito...
 
 
 

Eventos

Concerto, Conversa e Discussão - 1 e 2 de Agosto - Coja e Benfeita

Temos a honra de receber Tiokasin Ghosthorse, que viaja desde a sua reserva em Dakota do Sul até Portugal, para partilhar connosco oração, música e sabedoria intemporais.

Benfeita, 1º de Maio de 2017
Hoe houd ik van mijn lichaam en vind ik vrijheid in obsessies met eten. Donderdag 18 – zondag 21 mei 2017 Buinen, Netherlands

Heb jij een negatief beeld van jouw lichaam?

Quinta da Floresta, Benfeita 21 Outubro das 10h às 17h

Devido à grande procura, venho com grande satisfação anunciar uma nova oportunidade esta Primavera de iniciar a aprendizagem da arte e ciência do reconhecimento de plantas, no nosso bonito vale na Serra do Açor.

Quinta da Floresta, Benfeita 2018

Desde há milénios que as pessoas se retiram para locais selvagens para encontrar a paz interior e uma maior perspectiva da Vida. A Natureza, com a sua simplicidade e beleza, sustenta um profundo relaxamento do corpo, mente e alma.

ÚLTIMAS ENTRADAS NO BLOGUE

Sou apaixonado por construir com madeira em toros (troncos?). Conheço poucas coisas que façam sentido de tantas maneiras, quase todas de sentido prático e ecológico – o que no fundo é o mesmo – mas também financeiramente, esteticamente e em termos de resiliência e gestão da floresta.   

Ouvi dizer que, quando se está a criar, está-se mais próximo do Criador e, na minha experiência, isso é verdade.

Depois de um longo, quente e seco Verão, finalmente alguma, benvinda, chuva veio em Setembro. Estivémos fora durante as primeiras chuvas mas houve mais e depois de alguns dias de sol, fomos até uma floresta de bétulas e castanheiros mais adiante na montanha.