A Nossa Última Grande Construção!

 
Começámos a construir o 2º andar da casa de seminários. Esta será a nossa última grande construção aqui e proporcionará um dormitório e uma sala de meditação/seminários, que aumentará a nossa capacidade de realizar eventos e hospedar pessoas, especialmente fora dos meses de Verão.
 
 
 
 
Esta é uma grande tarefa e um projecto fascinante. Estamos a construir com madeira da floresta que nos circunda. A estrutura é feita com toros de madeira, usando três asnas arredondadas (crucks) para suportar a viga de cumeeira em eucalipto maciço. Asnas arredondadas (crucks) são madeiras curvilíneas que suportam o telhado. A nossa viga do telhado assentará nas juntas das asnas arredondadas (crucks). Aqui estão três asnas arredondadas deitadas.
 
 
E aqui está o Marko e o Varun a manobrarem a viga de cumeeira maciça no local, pronta para ser içada.
 
 
Não é a altura ideal para começar a construir um projecto, com a possibilidade das chuvas de Outuno virem. Desta forma há alguma pressão para acabar a obra, pelo menos ter a cobertura pronta antes que o tempo mude, o que poderá ser dentro de dias ou muitas semanas. Não é que preferimos adiar a chuva mas, umas semanas mais de tempo seco, dar-nos-ia uma grande ajuda. 
 
 
O trabalho começou no ano passado com o Marko a escolher, a sentir e a fresar as árvores que fariam parte da construção. Algumas das árvores foram levadas à carpintaria local para serem fresadas em tábuas para o revestimento exterior para fazer as paredes. As grandes vigas de fundação, o próprio Marko fresou na floresta.
 
 
 
Usar toros de madeira, implica que há muito descascamento para ser feito. A maior parte foi feito por nós prórprios, com alguma ajuda de amigos.
 
 
 
 
 
Estas árvores imensas tiveram de ser removidas da floresta com a ajuda de um guincho de manivela, um sistema simples de alavancagem e a nossa fidedigna carrinha - Brunhilde. Aqui estão o Marko e o Floris a desenvolver a tecnologia
 
 
Obtivemos as telhas para o telhado do nosso projecto, em segunda-mão e grátis e as nossas maravilhosas voluntárias Merce, Marina e Katrin limparam uma a uma.
 
 
Nas últimas duas semanas, o foco tem sido a escolha das asnas arredondadas (crucks), o corte das árvores e o seu descascar, trazê-las da floresta para o local e, por último e muito importante, fazer as juntas. Isto significa cinzelamento. Muito cinzelamento. Varun da Bélgica, outro voluntário maravilhoso, tem estado a treinar a fazer as juntas e, juntamente com o Marko, tem estado ocupados a cinzelar sem parar.
 
 
Dia após dia
 
 
após dia
 
 
após dia!
 
 
No entanto, aprecem gostar!
 
 
A produzir um belo trabalho..
 
 
e algumas vezes é-lhes permitido ir ver o pôr-de-sol!
 
 
Esta Sexta-feira, as enormes e pesadas asnas arredondadas (crucks) serão içadas com a ajuda do nosso amigo Ângelo e a sua confiável JCB. Vejam aqui mais fotografias e vídeos. Até lá, um enorme agradecimento a todos aqueles que nos ajudaram até agora, Floris, Ricardo, Katrin, Merce, Marina e Varun!
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Article: 
Blog

Eventos

Quinta da Floresta, Benfeita 24 Novembro das 10.30h às 17h

Devido à grande procura, venho com grande satisfação anunciar uma nova oportunidade esta Primavera de iniciar a aprendizagem da arte e ciência do reconhecimento de plantas, no nosso bonito vale na Serra do Açor.

Quinta da Floresta, Benfeita 2018

Desde há milénios que as pessoas se retiram para locais selvagens para encontrar a paz interior e uma maior perspectiva da Vida. A Natureza, com a sua simplicidade e beleza, sustenta um profundo relaxamento do corpo, mente e alma.

ÚLTIMAS ENTRADAS NO BLOGUE

Muitas das plantas e árvores das quais as abelhas e outros insectos vivem arderam nos incêndios deste Outubro e não florescerão este ano e algumas nem no próximo ano. Apresento-vos as minhas sugestões sobre como ajudar os polinizadores durante estes tempos difíceis.

Deus, como têm sido tempos desoladores. A chuva, que foi tão esperada durante o Verão, é agora abundante e está a arrastar o solo e as pedras das montanhas, levando-os consigo pelos terraços e para os rios.

Sou apaixonado por construir com madeira em toros (troncos?). Conheço poucas coisas que façam sentido de tantas maneiras, quase todas de sentido prático e ecológico – o que no fundo é o mesmo – mas também financeiramente, esteticamente e em termos de resiliência e gestão da floresta.