About Marko

Marko Maitz

apaixonado pela Natureza, carpinteiro auto-didacta, constructor e lenhador, professor de yoga em suspenso

Vendo o quanto mudou ao longo dos últimos anos, sinto que não posso escrever sobre mim como algo fixo mas antes como algo em constante evolução. Contudo, é incrível como, ao olhar para trás, consigo ver claramente um fio condutor nos temas centrais ao longo de todas as aventuras passadas:

Eu cresci na Áustria e tive a sorte de viajar muito, para conhecer muitos lugares e países. Assim que comecei a pensar por mim próprio, comecei a sentir-me muito restringido e sufocado pela cultura na qual vivia e, tal como muitos de nós, sem saber exactamente o que estava a acontecer, comecei à procura de mais. Sendo sempre um amante da Natureza, deparei-me com locais incríveis, que estavam todos ou invadidos por turismo em massa ou de algum modo explorados, o que me fez sentir e pensar profundamente no estado do mundo e para onde tudo está a ir.

Cresci sendo um aluno de quadro de excelência, que, abruptamente, me tornei num jovem adolescente completamente desinteressado naquilo que uma escola convencional tinha para oferecer. Vivenciei diversas depressões e comecei, o que eu chamo de “auto-medicação”, com canábis. Fui estudar Biologia – queria aprender sobre as florestas e a Natureza, de um modo prático e mais aprofundado (filosófico e místico) mas claro que não encontrei o que procurava na universidade.

Por fim, a frustração foi grande o suficiente para abandonar a universidade e ir viver, por uns tempos, como instrutor de mergulho, passando muitos meses de completo êxtase nos recifes do Mar Vermelho. Vivendo ao pé do mar, num estilo de vida de férias e praia era magnífico e oferecia alguma liberdade mas, em última análise, não era gratificante. Descobri o Hatha Yoga, que abasteceu a minha fome de percepções místicas e deu-me o substituto para fumar canábis. Comecei a estar mais interessado nas dimensões internas e subtis da Vida enquanto aprendia Permacultura, que abordava o meu impulso de fazer algo em relação à degradação ambiental, da qual eu estava tão penosamente consciente. Por alguns anos, dediquei-me à minha prática de yoga, a ensinar e a fazer jardinagem em torno da Permacultura. A certa altura, deparei-me com uma profunda crise pessoal que, combinada com a consciência da interioridade que tinha, resultou numa radical liberação do medo e separação – o tipo de liberação que as pessoas frequentemente experienciam em longos retiros de meditação. Experimentei uma libertação profunda e absoluta, que transformou a minha Vida, o meu sentido de Ser, a minha mente e mundo – foi como se saísse fora do mundo, estando aí dentro dele – extremamente libertador mas igualmente confuso para fazer sentido. Gradualmente com o passar das semanas, a experiência esvaeceu e vi-me com os mesmos problemas, desejos e movimentos egóicos. Mas algo tinha mudado, de algum modo em estava diferente…

Alguns meses mais tarde, fiz as malas e vim para Portugal verificar quais as possibilidades que este tinha para me oferecer. Não por acaso, encontrei a Quinta da Mizarela e o Projecto Vida Desperta (Awakened Life Project), onde encontrei o Pete e a Cynthia Bampton, que me ajudaram a compreender e a encontrar o meu caminho com tudo o que já havia experimentado.

Os 4 anos seguintes, foram passados em comunidade e a trabalhar na Quinta da Mizarela, crescendo espiritualmente, praticando meditação, inquerindo e contemplando, a trabalhar em grupos de homens e descobrindo as minhas paixões mais profundas.

Na quinta da Mizarela, conheci e casei-me com a mulher maravilhosa, Laura Williams, que é também minha companheira no seguimento de um fio comum, que nos está a conduzir profundamente ao amor e coração da Natureza.

Em 2014, comprámos a quinta junto à Quinta da Mizarela, a qual chamámos de Quinta da Floresta – um local selvagem, lindo e poderoso, que é o núcleo do nosso projecto, o Projecto Floresta Desperta, que é dedicado a aprofundar a intimidade com a Natureza, ao trabalho prático ao redor da Permacultura, à resiliência e reflorestação e a descobrir como precisamos de mudar e desenvolver no interior para criar um futuro em sintonia com a Natureza.

Presentemente, estou a trabalhar em infraestruturas básicas para ter a nossa casa pronta. Estamos a reconstruir os edifícios com estruturas de madeira com troncos e a aprender como melhor usar os materiais disponíveis no local e nos bosques ao redor.

 

 

Eventos

Concerto, Conversa e Discussão - 1 e 2 de Agosto - Coja e Benfeita

Temos a honra de receber Tiokasin Ghosthorse, que viaja desde a sua reserva em Dakota do Sul até Portugal, para partilhar connosco oração, música e sabedoria intemporais.

Benfeita, 1º de Maio de 2017
Hoe houd ik van mijn lichaam en vind ik vrijheid in obsessies met eten. Donderdag 18 – zondag 21 mei 2017 Buinen, Netherlands

Heb jij een negatief beeld van jouw lichaam?

Quinta da Floresta, Benfeita 21 Outubro das 10h às 17h

Devido à grande procura, venho com grande satisfação anunciar uma nova oportunidade esta Primavera de iniciar a aprendizagem da arte e ciência do reconhecimento de plantas, no nosso bonito vale na Serra do Açor.

Quinta da Floresta, Benfeita 2018

Desde há milénios que as pessoas se retiram para locais selvagens para encontrar a paz interior e uma maior perspectiva da Vida. A Natureza, com a sua simplicidade e beleza, sustenta um profundo relaxamento do corpo, mente e alma.

ÚLTIMAS ENTRADAS NO BLOGUE

Sou apaixonado por construir com madeira em toros (troncos?). Conheço poucas coisas que façam sentido de tantas maneiras, quase todas de sentido prático e ecológico – o que no fundo é o mesmo – mas também financeiramente, esteticamente e em termos de resiliência e gestão da floresta.   

Ouvi dizer que, quando se está a criar, está-se mais próximo do Criador e, na minha experiência, isso é verdade.

Depois de um longo, quente e seco Verão, finalmente alguma, benvinda, chuva veio em Setembro. Estivémos fora durante as primeiras chuvas mas houve mais e depois de alguns dias de sol, fomos até uma floresta de bétulas e castanheiros mais adiante na montanha.